Psicoterapia: Dúvidas Gerais

Muitas pessoas acabam procurando psicoterapia por encaminhamento de outros profissionais, como um médico, e/ou por indicação (e muitas vezes, insistência) de algum amigo ou familiar. Porém, não sabem exatamente o que é uma psicoterapia, como ela funciona e o que pode se esperar desse processo.

Psicoterapia é o termo utilizado para tratamento dos problemas psíquicos através do uso de técnicas psicológicas, é realizado por um psicólogo e se utiliza como ferramenta de trabalho, a fala. A psicologia é composta por várias teorias e técnicas, cada profissional escolhe qual será sua abordagem teórica e atua conforme a linha de pensamento do qual se identificou e estuda. A atuação do psicólogo é regido pelo Código de Ética Profissional que deve ser respeitado independentemente da forma de trabalho do terapeuta.

Existem diversas linhas psicológicas, as mais conhecidas são: Psicanálise, TCC, Análise do Comportamento, Humanista, Fenomenologia, Psicologia Analítica etc. Para responder as perguntas abaixo, vou usar como base o trabalho que eu desenvolvo, o meu estilo de atender e tendo como base teórica a teoria psicológica que eu sigo, que é a Psicanálise Lacaniana.

Perguntas frequentes

Quando procurar um psicólogo (psicoterapeuta) / psicanalista?


Algumas pessoas tem vergonha e/ou preconceito em procurar ajuda, muitas vezes acreditam que procurar ajuda é “ser fraco”, é “coisa de doido” e acabam adiando a ida para um profissional, por isso muitas vezes quando a pessoa procura ajuda, sua vida já está bastante comprometida e seu sofrimento bastante intenso.

O profissional de saúde mental visa melhorar a qualidade de vida e de uma forma geral, melhorar as relações que aquela pessoa estabelece com o mundo (amizades, relacionamento amoroso, trabalho, etc) e com ela mesma.

Por isso, é importante se atentar a alguns pontos fundamentais para entender quando procurar ajuda:

  1. Quando você vive o seu passado como se fosse o seu presente, onde o passado se torna uma dor crônica e desconfortante;
  2. Dificuldades no seu ambiente de trabalho e/ou de estudo;
  3. Sofrer é inevitável porém quando ele se torna comum na maior parte do seu tempo, é um sinal que algo com você não vai bem;
  4. Não conseguir visualizar um futuro;
  5. Crise existencial;
  6. Sensação de perda de autonomia;
  7. Dificuldade em compreender o que sente;
  8. Pensamentos negativos constantes;
  9. Sensação de “peso” na maior parte do tempo;
  10. Sentimentos como: tristeza, raiva, ciúmes, estresse, ansiedade e angústia começam a fazer parte constante de sua vida;
  11. Dificuldades no relacionamento interpessoal;
  12. Problemas com sono;
  13. Autoconhecimento;
  14. Usando substâncias psicoativas para lidar com problemas de sua vida;
  15. Quer encontrar uma versão melhor de si mesmo;
  16. Viver no futuro pensando no amanhã e não, também, no hoje.




Qual a diferença entre psicoterapia, psicanálise e psiquiatria?


  • Terapia

Existem várias técnicas de terapia, quando usa-se o termo “terapia” quer dizer que é praticada por um profissional que não necessariamente fez a formação em Psicologia e em Psicanálise. São chamadas de terapias alternativas por não serem consideradas técnicas cientificas, contendo elementos místicos, religiosos ou supersticiosos. Algumas terapias alternativas são: hipnose, terapia holística, regressão a vidas passadas, reflexologia, etc.

  • Psicólogo (psicoterapia)

O psicólogo é um profissional que concluiu a graduação em Psicologia (5 anos), podendo atuar na área clínica, organizacional, educacional, esportiva, jurídica e outras. O psicólogo que trabalha com psicologia clínica é também chamado de psicoterapeuta. Para atuar na área clínica, o psicólogo geralmente complementa a sua formação com cursos e escolhendo uma abordagem teórica, como a TCC, análise de comportamento, existencialismo, Gestalt, psicanálise, etc. Todas as psicoterapias utilizam como ferramenta principal de trabalho a fala, a palavra.

A psicoterapia é um conjunto de técnicas e meios para analisar e intervir nos problemas emocionais, comportamentais e/ou transtornos mentais. Seu objetivo é proporcionar a aprendizagem de novos comportamentos para que a pessoa possa lidar com as suas dificuldades.

  • Psicanálise

O profissional que exerce a psicanalise é chamado de analista e não necessariamente é graduado em psicologia. Apesar de geralmente possuir estudos em psiquiatria, psicologia ou filosofia.

Para se tornar um analista, o profissional deve se submeter a uma análise pessoal por vários anos, estudar a teoria de forma continuada através de seminários, grupos de estudo etc. e ter supervisão clinica com algum psicanalista formado e mais experiente.

A psicanálise surgiu através dos estudos de Sigmund Freud, médico neurologista vienense do século XIX, utiliza o divã e sua principal diferença com as outras abordagens psicoterapêuticas é que trabalha com o inconsciente do indivíduo.

Trata-se de um método não sugestivo onde o analista trabalha através e pela fala do paciente, escutando o latente (conteúdo do inconsciente) e traduzindo para o manifesto (consciente). O objetivo é fazer com que o paciente se livre de seus sintomas, reduza os problemas somente para os inevitáveis da vida, suporte as suas responsabilidades e encare as frustações da vida, aumentando a inteligência emocional do paciente.

  • Psiquiatria

É um profissional formado em Medicina (6 anos) e com especialização em Psiquiatria (3 anos). Ou seja, após a faculdade de Medicina, o profissional faz a residência em Instituições de saúde mental. Este profissional é treinado a identificar, diagnosticar e tratar com medicamentos os transtornos mentais. Ele faz uso do sistema de diagnóstico baseado em manuais como CID10 – Código Internacional de Doenças e DSM-V – Manual Diagnóstico e Estatístico dos Transtornos Mentais.




O que eu falar para o psicoterapeuta, ele vai contar para outras pessoas?


Não! O sigilo é garantido pelo Código de Ética Profissional. O que quer dizer isso? O profissional NÃO pode contar o que é discutido em sessão para outras pessoas, assim você pode falar abertamente sobre suas questões sem receio que outras pessoas possam ter conhecimento. Pode acontecer do profissional discutir seu caso com um supervisor e/ou outros profissionais, quando isso acontece, a identidade é preservada.

*há exceções seguindo o Código de Ética Profissional regido pelo CRP (Conselho Regional de Psicologia) e CFP (Conselho Federal de Psicologia). O paciente deve ser avisado pelo psicoterapeuta caso este entenda que precisa notificar algum órgão e/ou familiar.




Como é a sala de um psicólogo psicanalista?


O ideal é que seja um ambiente agradável, silencioso e confortável. Geralmente é composto por sofás e divã. A minha sala é composta por: poltronas, divã, mesa, plantas e armário.




Qual a diferença de conversar com um psicoterapeuta/psicanalista e um amigo?


Completamente diferente! O profissional é treinado para ter uma escuta diferenciada, ele está ali apontando o que o paciente através da sua própria fala, não percebe/não escuta. Enquanto que o amigo dá opiniões muitas vezes parciais e pessoais com base naquilo que ele acredita ou na experiência dele.

Eu mesma sou uma com meus pacientes e outra com meus amigos. Como profissional, estou com minha escuta voltada somente para a questão do outro, apontando manifestações do inconsciente, mostrando como o paciente está conduzindo sua vida e se coloca em certas situações na vida. Diferente com o amigo, onde se dá conselhos, oferece um “ombro amigo”, troca “figurinhas”, algumas vezes dá bronca e julga, outras “passa mão na cabeça” e o vê como vítima da situação, etc.




Como eu sei se escolhi um bom profissional?


Se você tem a sensação que é amigo do seu psicoterapeuta, já é um sinal que não está acontecendo um tratamento psicológico. Na relação psicoterapeuta-paciente, precisa ter confiança, empatia, respeito. Porém, não é uma relação de amizade, ou seja, o profissional não aconselha e nem dá sugestões. Não fala da sua vida pessoal, das suas experiências pessoais e nem de seus problemas pessoais. Não atende pessoas do mesmo ciclo íntimo (exemplo: atender mãe e filha).

Um bom profissional é aquele que não diz só o que o paciente quer ouvir, se o paciente tem a sensação que sua psicoterapia é como se tivesse indo para uma sessão de massagem relaxante, não está acontecendo um tratamento psicológico. Pois, o psicoterapeuta/psicanalista muitas vezes diz o que o paciente não quer ouvir e/ou o que dói. Além de promover a reflexão.




Como é a consulta de psicoterapia psicanalítica?


A primeira coisa que o psicoterapeuta/psicanalista faz é agendar uma avaliação, onde o paciente fala dos motivos que o fez procurar por ajuda, breve histórico de vida e sua expectativa em relação à psicoterapia/análise. Além disso, é onde paciente e psicoterapeuta/psicanalista se conhecem pessoalmente e “sentem” se há empatia para que possam trabalhar juntos. A avaliação pode durar uma ou mais sessões.

Nesse primeiro encontro é onde se discute a frequência das sessões (= consulta psicológica) e o valor das sessões. Geralmente, os encontros são semanais, 1x/semana. Se o paciente estiver em crise, é orientado que vá mais vezes na semana. Como também há casos, que as sessões acontecem a cada 15 dias. A duração da sessão varia, porém gira em torno de 50 minutos.

Para entender melhor o trabalho do psicanalista, leia as questões abaixo.




Como funciona a abordagem psicanalítica?


A psicanálise surgiu em 1896 por Sigmund Freud como um tipo de psicoterapia cujo método é explorar o inconsciente através da fala livre do paciente. Utiliza-se o divã, porém em alguns casos utiliza-se a poltrona, analista e paciente sentados um na frente do outro.

O inconsciente é um “lugar” psíquico desconhecido pela consciência, ou seja, muitas das nossas ações e emoções são o resultado de fatores dos quais não temos consciência, isso quer dizer que mesmo quando “sabemos” de algo e não queremos mais repetir aquele comportamento/ação, nós repetimos, pois o que nos mantém naquele comportamento, é inconsciente. Freud dizia que não somos senhores em nossa própria morada.

A pessoa é vista como um todo, ou seja, num processo psicanalítico, o analista (profissional que segue a psicanálise) não se atenta somente aos sintomas e as queixas que o paciente traz, mas também à forma como o paciente se relaciona com o mundo, suas reações diante das situações, suas interpretações do que lhe acontece, sua psicodinâmica.




Como é o trabalho de um psicanalista?


Ao decorrer da vida vamos aprendendo/adquirindo habilidades sociais, uma dessas habilidades é uma comunicação onde o outro me compreenda, por isso quando conversamos com alguém, nos preocupamos com o encadeamento de nossa fala, se estamos sendo claros na nossa fala, se estamos conseguindo transmitir ao outro o que queremos dizer. Diferentemente de uma conversa, para a psicanálise a regra básica é: fale abertamente sem se preocupar se o que está dizendo está tendo sentido, fale o que vier à cabeça, sem pré-julgamentos, sem censura, não há certo nem errado, não há melhor nem pior.

O psicanalista, a partir da fala do paciente, interpreta fazendo perguntas, pontuações e algumas afirmações que ajudam o paciente a entender e reescrever sua própria história. A psicanálise não trabalha com hipnose, não depende somente em escutar a infância da pessoa, não diz o que é certo ou errado, não julga, não fica mudo (quem mais deve falar é o paciente, mas não quer dizer que o analista não fale nada). Como o tratamento psicológico e psicanalítico é através da fala, é preciso que o paciente fale para que o tratamento aconteça, porém pode acontecer, em alguns momentos, que o silêncio apareça e muitas vezes, o analista também fique em silêncio (se ele entender que há um sentido terapêutico nesse silêncio).

A psicanálise não está ali para ensinar, para isso existem livros, vídeos etc. e o que a experiência nos mostra, é que conhecimento não basta para que as pessoas se livrem de suas aflições e/ou que pare de repetir um comportamento que sabe não ser bom para sua própria vida. O trabalho psicanalítico é “desvendar” o mecanismo do inconsciente, aquilo do qual desconhecemos, fazendo uma integração entre nosso lado objetivo/racional com o subjetivo/inconsciente e, assim, adquire-se o alívio dos sintomas e a diminuição do sofrimento psíquico.




Quanto tempo para surtir efeito? Quanto tempo dura um processo psicanalítico? Quando recebe alta?


Não existe um tempo pré-definido pois cada pessoa é uma pessoa. É difícil prever como cada um vai reagir; muito do sucesso da psicoterapia/psicanálise depende do próprio paciente, do quanto ele está aberto, e de como ele está psiquicamente quando inicia o tratamento. Além disso, o foco do tratamento pode mudar ao longo do processo.

O objetivo é que o paciente comece a ver a si mesmo de forma diferente em poucas sessões, e que o processo todo dure o menor tempo possível. A busca é de evolução psíquica que anda junto com autoconhecimento, a psicanálise leva o paciente a estar mais consciente de suas escolhas, agindo com corresponsabilidade e espontaneidade, provocando a invenção de saídas criativas.

Não se busca um padrão de normalidade, por isso profissional e paciente avaliam juntos os resultados obtidos de forma singular.




Fazer psicoterapia/psicanálise é caro?


Definir o que é caro e o que é barato, depende do compromisso que a pessoa assume a favor de si mesmo: Qual o preço de viver bem consigo mesmo?

O valor da sessão contempla toda a experiência, conhecimento e investimento do profissional na sua profissão, além da estrutura do local de trabalho. Cada profissional pratica o seu valor.

Logico que é importante que o valor caiba no seu bolso para que o tratamento não se torne mais uma fonte de preocupação.

Para saber o valor das consultas, Clique nesse LINK e preencha o formulário, que uma mensagem será enviada a você com as informações do valor da consulta. Ou se preferir, entre em contato via whatsapp no (11) 995377960. OBS.: Toda comunicação com este consultório de psicologia é estritamente confidencial. Todas as mensagens são enviadas diretamente para o e-mail do psicologo, e as mensagens enviadas não ficam armazenadas em banco de dados ou qualquer outra base de informações. Portanto, seu pedido de informação não resultará em importunações posteriores. ATENÇÃO: Consultas somente particulares, não trabalho com planos de saúde. Porém, é fornecido relatórios e recibos de acordo com especificações de cada plano de saúde para quem gostaria e tem o direito a reembolso de consulta/terapia com psicólogos. Para isso, é imprescindível que o paciente entre em contato com seu plano de saúde para obter esclarecimentos sobre o funcionamento do reembolso de seu plano de saúde.




Se já estou fazendo uso de medicação psiquiátrica, preciso também fazer psicoterapia/psicanálise?


Sim! A medicação atua no seu biológico, em alguns casos, é imprescindível, enquanto que em outros as pessoas se acomodam na medicação, fazendo uso dela por muitos anos quando se ela procurasse ajuda psicológico/psicanalítica, não precisaria fazer uso de medicação por tanto tempo.

O tratamento psiquiátrico e psicológico/psicanalítico se complementam, um ajudando o outro.




Como funciona a psicoterapia on-line? Ela é eficaz?


A psicoterapia on-line foi regulamentada no Brasil em novembro de 2018 (resolução CFP n11/2018) atrás de vários países como: Canadá, Austrália, Reino Unido e Suíça que já fazem uso dessa modalidade. Estudos mostram que as psicoterapias conduzidas através da internet podem ser tão benéficas quanto as realizadas de forma tradicional.

A psicoterapia on-line tem os mesmos propósitos da psicoterapia presencial, sem perder qualidade, mantendo o sigilo, a conduta ética e a competência técnica imprescindível à qualquer tipo de psicoterapia.

A diferença é que a sessão é realizada através de um dispositivo tecnológico: smartphone, tablet ou computador.

A psicoterapia on-line é excelente em casos de clientes que não podem se deslocar até o consultório do profissional, o que facilita para quem tem rotina corrida, aqueles que viajam muito a trabalho ou que residem em outro estado/país ou que possuem enfermidades que impossibilitem sair de casa como a fobia social. Outra vantagem é a flexibilidade de horários.

Porém, a psicoterapia on-line não se destina a fornecer atendimento psicológico para situações de emergência e desastre, urgência e emergência, violação de direitos, menores de 18 anos sem autorização dos pais, transtornos mentais graves.

Será avaliado se o atendimento on-line é apropriado para o caso e serão feitos encaminhamentos, caso necessário.

Assim como na presencial, vai depender do quanto a pessoa que procura vai estar emocionalmente disposta para passar por esse processo. Além disso, o vínculo entre profissional e cliente é fundamental pois não há tratamento possível sem que se construa uma relação de confiança.

Vale lembrar que para realizar atendimento psicológico on-line o profissional precisa estar devidamente cadastrado no CFP (cadastro e-psi).





logonova_white.png

© 2018 by Rafa Godoy
 Zenith Comunicação